Tuesday, November 20, 2007

Dia da Consciência Negra

Museu do Martin Luther King (Atlanta / EUA). Lápides dele e de sua esposa.


É hoje! E para comemorar em alguns lugares é até feriado. Mas aí penso num monte de coisas, entre elas, para que ter um dia da consciência negra? Será que é para lembrar que o racismo é algo intolerável? Então porque não tem também o dia da consciência asiática, ou do pobre, ou do órfão? Ok, sei que isso é polêmico mas questiono a eficácia de feriados para uma luta velada (ou não).



Visitei o museu do Martin Luther King em Atlanta, o que certamente foi uma das coisas mais legais que fiz. Ali vi a história de um homem que acreditou em algo maior que ele mesmo. Em uma época em que negros e brancos não dividiam nem o transporte coletivo, Luther King marcou sua geração. Mas não foi deixando de trabalhar, como acontece nos feriados brasileiros. Pelo contrário! Ele comandou marchas pelas ruas de Atlanta buscando pelos seus direitos. Enquanto caminhava, ele e seus aliados oravam e cantavam, crendo que a resistência pacífica era a melhor saída. Ele foi preso umas 14 vezes por não concordar com as regras daquela época. Ele acreditava que nessa guerra seria necessário derramamento de sangue, nesse caso o deles mesmos, daqueles que resistiam à um sistema no qual não eram aceitos. E foi exatamente isso que aconteceu. Luther King morreu assassinado, enquanto falava sobre seus sonhos. Quem não se lembra do famoso: "I have a dream...".?



Não tenho um sonho como o desse homem e nem enfrento as dificuldades que ele viveu, mas o admiro imensamente pelo desafio que ele aceitou e por ter morrido pelo seu ideal. Ele não se escondeu em um "feriado". E é aí que acho que entra o nosso problema brasileiro. Nos contentamos com muito pouco. As cotas nas universidades, o dia da consciência negra, entre outras ações afirmativas, não resolvem o problema em si, são paleativos. Ainda há muito para caminhar e muito para se discutir. Ao mesmo tempo não se pode achar que os únicos que sofrem discriminação no Brasil são os negros. Existem os pobres, os orientais, os nordestinos, os índios, e por aí vai. Será que cada grupo de excluídos deveria então ter seu próprio feriado para comemorar? Fica aí a pergunta.



Enquanto isso continuo admirando Luther King e seu desejo de liberdade: "Livre finalmente, livre finalmente. Obrigado, Deus todo-poderoso. Estou livre finalmente". Uma pena que ele só conseguiu literalmente ter essa liberdade com a sua morte, como está escrito em sua lápide.




4 comments:

Lilian Pavan said...

Ei Iana,

Como vc. gosta de reflexões e eu tb... vou deixar um trecho bem legal de Martin pra vc.
"Através da violência você pode matar um assassino, mas não pode matar o assassinato. Através da violência você pode matar um mentiroso, mas não pode estabelecer a verdade. Através da violência você pode matar uma pessoa odienta, mas não pode matar o ódio. A escuridão não pode extinguir a escuridão. Só a luz pode" Martin Luther King

bj enorme amada!

Soraia Alves said...

Palmas!!!

Concordo absolutamente com td o q vc disse...alias, tds essas coisas como dia da consciêcia negra e até mesmo as cotas em universidades já são um exeplo de preconceito...parece q eh pra sempre ficar afirmando que os negros são inferiores aos brancos e por isso merecem "regras" diferentes, o que claro, não é verdade!

Tb admiro Luther King...e assim como ele "I have MANY dreams..."
Mas ai jah eh outra historia neh ;)

Fika com Deus querida!

Bjoooo****

Vanessa Trotta said...

Ei Iana!
Ontem fui cobrir um evento sobre a Consciência Negra e recebi esse pensamento: "Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender a odiar, e se elas podem aprender a odiar,podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta." Nelson Mandela

Uma forma diferente de pensar, já que somos levados a enxergar com mais facilidade a maldade humana.

UM beijo!

CAMILA said...

É...como podem pensar que um feriado seja fruto de uma mudança de consciência ou o inverso...
Que consciência???
De que somos iguais???
Oh Deus...transforme nossas consciências!!!


Iana, você recebeu meus e-mails?

Beijocas querida