Friday, October 5, 2007

Eu quero ser amiga do Bressane!


Em primeiro lugar porque o cara me faz acessar o blog dele todo dia para ver o que de novo ele postou. E sempre tem coisa legal. Esses dias até li quase todos os posts antigos, para recuperar o que foi publicado antes do Marcelão me apresentar ao espaço dele. Reconheço: sim, ele tem o que dizer e isso tem se tornado cada vez mais raro, em um tempo que todo mundo escreve e fala o que quer.

O Bressane me parece ser aquelas pessoas que observam os detalhes do mundo ao redor com sutileza e singeleza. Com uma boa dose de humor, pode-se sempre esperar algo. Indiferença? Acho que nunca. Pelo menos é impressão que me passa.

Também quero ser amiga dele porque através dos posts vi que muitas vezes fui cruel com os chamados “nerds”. Nunca fui uma, mas não me lembro de ter sido muito amigável com nenhum deles também. Pelo menos na época de colégio... E o mais engraçado da vida e que a gente nunca sabe quem as pessoas se tornarão no futuro. Como parte da “turma do fundão” já usei da crueldade infantil e adolescente para zoar pessoas diferentes de mim, que na época era uma aluna bem conhecida no bom e velho CBM. Mas o tempo passa, a gente amadurece e reconhece que algumas brincadeiras deixam marcas nos outros. O pior é que nem sempre são marcas boas. Aliás, dia desses uma amiga me disse que tinha medo de mim na época do colégio... Fiquei triste e assustada. Então era essa a impressão que eu deixei em quem só me via passar pelo pátio? Que triste...

Tá aí outro motivo porque quero ser amiga do Bressane: ele estudou no Batista! E quem estudou por lá e sobreviveu aos lendários Kaiser, Custódio, Ambrogina e Roniê, merece muito respeito! O meu você já tem. Além disso, ele seguiu a minha dica e foi conhecer o café Santa Sophia em BH. Mais pontos para você.

Querido Bressane, li o seu post e fiquei triste e feliz. Fiquei feliz porque assim que acabei de ler tive um papo maravilhoso com uma grande amiga de infância e, como sempre, agradeci a Deus pela existência dela. Vi que não vivo esse dilema seu. Mas me entristeci porque queria que todo mundo tivesse um “melhor-amigo”, como eu tenho. Me entristeci porque todos merecem uma pessoa maravilhosa ao lado, sem ser pai, mãe, esposa, marido ou filhos. Alguém que não seja da família e que goste de você sem motivo nenhum. Desinteressadamente. É possível? Claro! E se é!

Com certeza existem épocas mais férteis para isso, mas quem disse que o tempo acabou? Não sei a fórmula para se criar um melhor amigo. Mas sei que as pessoas são sempre uma caixinha de surpresas. Me despindo de qualquer frase pronta, ou pensamento acabado só te digo: cultive a sua esperança de cinco anos, mas se prepare para ser surpreendido. Esqueça os estereótipos e os padrões que você mesmo se impôs. Se permita ir além daquilo que você é. A vida tá só começando e você tá novo demais para achar que é um caso perdido.

Para terminar esse post, nada melhor do que uma pergunta: Quer ser meu amigo?

*Essa é uma resposta a dois posts que o meu quase amigo Bressane escreveu no blog dele. O primeiro era falando que queria ser meu amigo, e o segundo falando que ele não tem amigos. Eu disse que ia retribuir a homenagem, e aí vai! http://www.bressane.com/blog/2007/10/no-tenho-um-amigo-sequer-no-falo-de.html / http://www.bressane.com/blog/2007_08_01_archive.html

5 comments:

Edilene said...

Entrei no blog do seu amigo e com certeza vai ser 1 que sempre vou estar presente.
Sobre brincadeiras da epoca de escola.......nossa.....recordações.....não muita boa....apenas recordações.

Marcelão da Cris said...

Eu também. :0)

Ester Tambasco said...

pronto, agora são amigos!

Ester Tambasco said...

fui de curiosa olhar o blog do seu amigo, mas tb pq eu já ouvi o nome dele em algum lugar. aí olhei site, pesquisei no google, eu devo mesmo já ter lido o nome dele em algum lugar! queria lembrar exatamente de onde.

bressane said...

bochechas vermelhas. padrão. naturalmente, não tenho a sabedoria necessária para responder devidamente. mas um "muito obrigado pelo post" eu consigo soltar, com a maior sinceridade. e, se depender de mim, a amizade começa já. só preciso que me guie no processo, porque sou novo nesse departamento. as únicas regras de amizade que conheço são as que apliquei aos meus três amigos imaginários.