Monday, June 22, 2009

Porque sou jornalista


Sempre gostei de escrever e ouvia com frequência que levava jeito para coisa. Minha primeira redação com “estrelinhas” foi aos nove anos e gostei tanto da sensação que nunca mais parei.

Na época do vestibular fiquei na dúvida entre Relações Internacionais, Turismo e Jornalismo. Minha primeira opção era RI, coisa de quem se apaixonou perdidamente pelos modelos das Nações Unidas. Mas como não queria errar na escolha orei a Deus pedindo que eu passasse somente no curso que Ele tinha para mim. E foi assim que comecei a estudar Comunicação Social em 2002.

No tempo da faculdade eu trabalhei tanto que confesso não ter aproveitado tudo que eu podia e queria. Não deu para fazer parte de projetos de pesquisa, não deu para ficar batendo papo nos corredores, não foi possível dar monitoria e não fiz todos os estágios com os quais eu sonhava. Isso porque assim como milhares de brasileiros eu precisava pagar a faculdade, e as remunerações (quando existiam) não eram suficientes. Sendo assim, trabalhei (na área), e muito, desde o dia seguinte que passei no vestibular até hoje. Formei há pouco mais de três anos e adoro preencher o campo profissão em qualquer formulário. Sou jornalista, e com muito orgulho. Por formação, por vocação, por convicção, por paixão.

Agora o Supremos optou pela não obrigatoriedade do diploma no exercício do jornalismo. Se isso me chateia? Não. Se tira o valor do meu esforço? Não. Se me desmerece? Não. Se me desrespeita? Sim. Não me chateia porque um diploma em mãos não quer dizer que se é um bom profissional. Não tira o meu esforço porque aprendi muito em quatro anos trabalhando de manhã e a tarde e estudando a noite. E não me desmerece porque a formação crítica que construí ali ninguém me tira. Nem o Supremo. Mas essa decisão desrespeita, e muito, a mim e aos meus colegas de profissão.

Dizer que qualquer um pode ser jornalista é verdade. Pode sim. Ainda mais em tempos em que a internet permite que blogueiros que escrevem errado se tornem celebridades. Mas ser um bom profissional não é para todos. É para poucos. É para aqueles que amam o que fazem, e que sabem que qualquer atividade começa com respeito. Respeito pela informação, pela fonte, pelo assunto abordado, pela boa apuração, pelo leitor, ouvinte ou espectador. Respeito pelo português bem falado, bem escrito, bem articulado. Respeito pelos fatos, pela Verdade e pela História. E se a faculdade não faz pessoas melhores ou piores ela ensina pelo menos o que esses conceitos significam.

Sou jornalista e não acho que ninguém rasgou o meu diploma. Porque não é um documento na parede, um registro profissional na carteira ou um título que provam quem eu sou. Eles são a evidência da escolha que eu fiz e a prova de que busquei lapidar meu talento e me apresentar apta para o mercado. E para isso eu estudei, e muito. Valorizo a dedicação a um curso superior, porque é a prova que você respeita a sua profissão. E a minha eu respeito.

Quem perde nisso tudo é o próprio Brasil, mais uma vez. Em um país com índice de escolaridade tão baixo a decisão do STJ reforça a teoria nacional de que com jeitinho todo mundo se dá bem. Afinal, se para atuar em uma área que implica a formação de opinião de um país não se precisa de estudo formal, fazer o quê? Aliás, acabei de me lembrar... Por aqui nem o presidente tem curso superior.

62 comments:

Soraia Alves said...

Concordo com cada palavra Iana.
Já experimentei outra faculdade e acabei abandonando, e agora estou na luta pra entrar em uma facul publica.
Tb orei mto a Deus para q me direcionasse no que Ele queria pra mim e posso dizer que os sinais foram extremamente claros,rs.

Sabe quando você não vê a hora de por em prática o que de certa forma você sente que já sabe fazer? Mas enfim, o fato é que até mesmo no cursinho muitos já me disseram para mudar minha escolha, pq agora jornalista não tem mais valor.
É uma pena que uma maioria pense assim, e pena maior é saber que os nossos ministros e senadores se preocupam mais em validar ou não o diploma de uma profissão do que melhorar as inúmeras coisas no Brasil que precisam ser melhoradas.

Ivy said...

Essa decisão do Supremo, retrata o exato valor que nosso país dá a Educação.
Amei o texto e a foto é linda, você realmente tem o dom da escrita, que Deus te abençoe sempre.
Abraços Ivy Garcia

Paulo Victor said...

Silvio Santos já previa isso, quando lançou o seu "jornal das pernas", com personagens da Casa dos Artistas, lembra? hehe

Mas, falando sério: acho bem razoável o seu posicionamento de ter convicção de que isto de nada muda em sua competência e capacidade.

Decisões como essa são polêmicas e, se por um lado nos fazem lembrar de tantos profissionais que têm diploma apenas como um quadro na parede - sem nenhuma comprovação de aptidão, por outro trazem uma perspectiva um tanto quanto perigosa a respeito da exigência ou não de diploma pra outras carreiras.

Pode ser exagerado, mas temos impressão, diante disto, de que daqui a pouco qualquer pajé ou curandeiro poderá também exercer medicina por aí. É complicado.

É ruim ver as nossas carreiras, pelas quais lutamos pra construir, desvalorizadas. Uma prova disto, no meu caso, por exemplo, foi o último concurso do IPEA. As vagas eram divididas em áreas e para concorrer às relativas a RH, exigia-se formação em Psicologia ou Administração; quanto às referentes a Democracia e Instituições, exigia-se qualquer nível superior. Peraí! Pra falar de RH precisa ser psicólogo/administrador, enquanto pra falar de democracia pode-se ser até matemático? bibliotecário? enfermeiro? designer de moda?jornalista? (brindadeira... hehe). E eu, como Cientista Político? Como fico quando minha carreira não é valorizada, num dos poucos momentos em que isto pode ocorrer? É chato mesmo...

Mas, no fim do texto, acho que não tens razão no que dizes. Quanto ao nível de escolaridade do país, talvez a exigência de elevação formal do mesmo não seja uma boa. De nada adianta o mercado obrigar a todos a terem um nível superior e isto resultar apenas no enriquecimento de donos de instituições privadas de ensino, sem qualificação séria. Talvez isso devesse ser repensado e o paradigma substituído por um modelo que valorize mais a preparação técnica das pessoas.

E, por fim, também não considero problemático o nosso presidente não possuir nível superior. Qual seria o nível superior exigido, pra um presidente? Ciência Política? Economia?
A Sociologia não nos trouxe uma boa referência (FHC), e tampouco o fizeram outros médicos, advogados, economistas que tivemos no poder.

Se quisermos que alguém seja "preparado pra governar", voltemos à monarquia onde, a princípio, o camarada aprendia que iria ser rei (e se preparava pra isso) desde criança.

Ou mudemos o nosso método de governo de democracia para tecnocracia, meritocracia ou, quem sabe, aristocracia - já que este estrato social se considera o "mais preparado".

Democracia é, a priori, "o povo no poder", desde os gregos. No nosso caso, o sistema tenta ser, pelo menos, esse conceito aplicado à representação. E, com certeza, o Brasil nunca foi tanto "o povo no poder", apesar de todos os problemas, como agora, em que um brasileiro típico, um silva, ocupa o posto mais alto da república, mesmo sem um diploma que, por comprovação empírica de nossa própria história, nada ou muito pouco poderia acrescentar à qualidade do governo.

Bjs.

Anonymous said...

Vc. não respondeu: qdo. casa?

Wallan Cristhian said...

Iana,eu achei muito interessante o seu texto.
Fui aprovado para o curso de Comunicação Social na semana dessa decisão,ou seja,semana passada.
Mas eu acredito que o estudo e a dedicação verdadeiramente fazem a diferença.
Porque,se a pessa apenas tem a vontade,e acha que sabe,não é tudo.
Nada pode substituir o valor do estudo,da dedicação,da execelência.
E no mais,bom trabalho,que está sendo bem feito por aqui.
Espero sempre ler textos que respeitem o leitor por aqui.

Carolina Vilela said...

Isso!

*Nán!nh@* said...

Tu nem fazes ideia de como fiquei na expectativa de ler umpost sobre esse assunto em teu blog! Hoje, posso dizer que voce descreveu exatamente o que a maioria dos profissionais de nossa area estao sentindo.
Infelizmente nao sou formada, mas nem por isso desistirei! Volto a estudar em agosto e terei orgulho de pegar o diploma que lutei tanto para conseguir.
Como voce disse, nao e um pedaco de papel que faz um bom profissional; valorizo meus anos de estudo para simplesmente deixar tudo para tras. Parei devido a problemas financeiros, mas por um milagre de Deus, minha divida sera quitada e terei bolsa pelo jornal onde trabalho.
Orei para passar no vestibular que fosse da vontade do Senhor e confesso que jornalismo era ultima opcao (minha mae nao queria...).
Hoje, tenho orgulho de ser jornalista e nao abro mao do que Deus me deu.

Paulinha said...

Olá Iana!

Admiro e amo a sua maneira ousada de escrever. Você sabe se expressar, e é isso que prende a minha atenção aqui no seu blog!

Parabéns! Beijos ;)

Leonardo said...

Arrebentou no post hein Iana. Parabéns.

AngelMi said...

Olá Iana,
Polêmica essa questão né?
Digo isso porque atuo na área de Informática e é muito comum as pessoas não se dedicarem a buscar uma formação exatamente pela facilidade que se tem em ingressar no mercado sem ter concluído a faculdade.
Apesar da decisão do STJ, minha esperança é que os que escolherem esta profissão entendam a importância de estudar para ser um bom profissional afinal, a decisão do STJ não garante ingresso no mercado de trabalho.
Infelizmente essa decisão tira um pouco o mérito da graduação...
Como o caso do presidente, meu receio é a propagação da idéia de que não vale a pena estudar. Pior do que isso, é ver o chofer do senador ganhando 12.000,00...

Giseli Vergés said...

Nossa, Iana, incrível mas quando li esta noticia nos jornais do Brasil (estou morando na França), a primeira pessoa que me lembrei foi de vc...sabia qe vc teria um texto bm escrito, embasado e de muia opinião sobre o assunto!

Parabéns, concordo com vc em todas as linhas e entrelinhas. Parabéns por sua carreira direcionada por Deus.

Teca said...

Você é uma grande profissional e uma grande pessoa! Admirável.

PRISCILA said...

Iana, muito interessante como abordou o tema.
Engraçado que para ser advogado precisa além de ser graduado passar no teste da OAB, o que legitima e eleva o status da profissão. Mas pq para ser jornalista (e outras profissões entrarão neste barco) não precisa nem de graduação?! A resposta não sei, mas o porquê dela sim: todos os Ministros do STF são advogados..hehe

Nem todos que passam pela faculdade serão bons profissionais, mas todos os bons profissionais devem passar pela faculdade. A diferenciação no mercado se dará com fatores que vc já enumerou como: vocação, convicção e paixão.

O BRasil está retrocedendo, sinto muito pela decisão do nosso Supremo!

Sou economista e no olhar da minha profissão há outros fatores que estão por trás desta decisão, mas se começar a falar isto deixará de ser um comentário e virará um artigo...rrsrs

Amo seu blog irmã!

Abraços

Priscila
Feira de Santana - BA

Tatiana Santos said...

Realmente Iana.
Com o índice tão baixo de escolaridade no nosso país, isso apenas motiva as pessoas que não gostam de estudar e alimenta a opinião de que pra ser um profissional não precisa estudar, aperfeiçoar o talento. Lamentável essa decisão!
Esse é o jeitinho brasileiro de resolver as coisas. Incrível!

Beijos no coração!

Flavia said...

Oi Iana!
Meu nome é Flávia, sou da igreja metodista central em campo grande-ms, gostaria de saber se posso compartilhar esse texto, citando a fonte, obviamente, com o pessoal, sou advogada e bailarina, e fiquei triste com essa decisão que na minha opinião é um retrocesso e não avanço da democracia...
Bjos!
Flávia.

miss sil pati said...

/aplausos

Anonymous said...

Falou e disse!

Luciana.

Lê said...

Oi Iana!
COncordo com você!
O conhecimento que adquirimos em 4 anos de estudo fazem toda a diferença.
Fiquei bem chateada com a decisão do Supremo e fiquei pensando em argumentos para me "defender" nas rodinhas quando o tema surgisse.
Você me deu vários! Valeu!
Bj!
Alê

Michelle said...

Caraaambaaa!!!
Ao terminar de ler,a primeira coisa que veio a minha mente e que eu falei ... " Caramba,ela tem talento meesmo". Você escreve muuuito beeem. Parabéééns! Por pensar assim,pelo esforço .. Sei bem o que é isso,acabei de passar no Vestibular,também estava em dúvidas e pedi direção a Deus do que fazer. Escolhi Pedagogia,mesmo infelizmente,sendo uma profissão desvalorizada,mas farei por amor. E tenho certeza que assim o meu trabalho não será em vão.

Parabéééns meeeesmo, por tudo o que você conquistou e pelo o que com certeza irá conquistar!

Deus te abençoe,querida!

Beijos!

Thaty nogueira said...

Fazer o quê né?!
Essas decisões me incomodam também, do mesmo jeito que me incomoda o fato de não haver reprovações. O povo já fica meio "analfa" sendo obrigado a estudar pra passar, imagina se como lei ele passa direto? Daqui uns dias poderemos pegar um artigo pra ler escrito "nois vai", ou até estará bem escrito mas cheio de asneiras...
Sei que muita gente tem talento no DNA kkkkkk... Mas o nosso país tem tomado um rumo prático e cômodo para o povão...
Se continuar assim, teremos analfas jornalistas, analfas advogados, analfas médicos... ai meu Deus!!!
Acorda Brasilllllllllllll!!!

K - Simples palavras said...

Iana não sou jornalista e nem estou cursando algum parecido, mais respeito os profissionais desta categoria. No meu simples entender não acho que qualquer pessoa esta apita a se torna uma jornalista, é necessário falar bem, escrever bem, ter senso critico, saber passar uma informação de forma clara, verdadeira, respeitando os lados envolvidos e muito mais que você já citou no texto acima.
Eu acompanho o seu blog e de outras pessoas, mais percebo que pessoas que escrevem bem, sabem passar as informações de uma forma envolvente mim faz ficar “presa” ao texto e também mim trás crescimento e aumenta o meu conhecimento e senso crítico para avaliar o que esta na net que é de bom grado e o que não nos trás crescimento algum.
Como falei faço faculdade nem um pouco parecida com a que você fez, pois curso agronomia. Mais posso dizer sem medo que mesmo seu blog não tendo nem um tipo de relação com o que faço, ele já mim fez pensar em que profissional eu quero ser.
Vejo em você uma mulher que apresenta diversas qualidades e defeitos e, que apesar disso não se torna uma pessoa maior ou menor que alguém mais uma mulher competente e que sabe administrar as situações a sua volta. Por ser serva de Deus isso também ajuda risos.
Já passei por muitas na minha faculdade só Deus sabe mais continuo lutando, porque sei que o possível eu farei e o impossível Deus fará em meu favor. Oro muito para mim torna uma excelente profissional, pois creio que nossa vitória esta nas mãos de Deus.
Um dia vou poder lhe encontrar e testemunhar os milagres que Deus realizou e a profissional que Ele mim fez ser. Pois creio que barro de honra serei nas mãos do Senhor e que em tudo que eu tocar prosperará e não será diferente na minha carreira profissional.
Desculpa acho que mim empolguei.
São essas as minhas simples palavras.

Rafael said...

Pois é... Mas é sempre aquela coisa, isso não vai afetar tanto o Jornalismo no Brasil uma vez que as difusoras de notícias concerteza darão prioridade a pessoas graduadas e especializadas nessa área.

Agora que a nóticia realmente desanima, mas em nenhuma hipótese desaponta. O povo brasileiro está que nem a igreja de Cristo, acomodada e acostumada a ver as coisas indo de mal a pior, sem fazer nada. Definitivamente é uma falta de respeito com os profissionais da área, mas sinto que apenas essas pessoas é que terão alguma atitude... e isso se tiverem alguma.

A realidade no Brasil nunca foi das melhores, e o foco a educação também. Basta ver na história que os presidentes que se dedivam a reformas educacionais não conseguiam cumprir o seu mandato até o fim.

Resta-nos agora torcer para que o Brasil não afunde ainda mais e faça juz ao seu título de 'país emergente'

Rafael9692

Luiza Bernardo said...

Oi Iana!
A 1ª vez que ouvi essa notícia, fiquei pasma... Que país é esse, "mô" Deus!??
E me veio a impressão de que assim ficaria mais fácil desqualificar a notícia, tendo a agravante de quem a escreveu não estar qualificado.
Ler um artigo, pensar sobre... ou será que desejam um jornal meramente com futilidades de "quem tá com quem", "quem tá fazendo o que" e por aí vai!
Bato palmas para os profissionais, que não menosprezam o conhecimento e você um deles!!
bjksss

Glécia Spósito said...

Texto sensacional,amei!!! vc é muito admirável,inteligente.Infelismente no nosso Brasil tudo é de qualquer jeito..admiro sua ousadia e personalidade forte!!! Vc éw pequena pra quem vê mas muito grande pra quem ama,assim que te vejo..TE AMO!!! seja sempre assim superiuor,sincera,educada e fantástica... Deus te abençoe!
Bjos

Rodrigo said...

Eu acredito que o governo atual sabe que não conseguirá melhorar o sistema de ensino brasileiro, ai eles vão e tapam o sol com a peneira com o sistema de cotas, por exemplo.

Atitudes como essa do supremo e algumas facilidades que alguns programas do governo dão provavelmente se resultarão em "profissionais" despreparados no futuro.

Gosto do Prouni, mas o sistema de cotas não consigo engol...

A Globo falou a respeito dessa decisão no Jornal Nacional, disseram que mesmo com essa decisão, continuarão a procurar seus profissionais de jornalismo nas faculdades de comunicação. Espero que outras empresas façam o mesmo.

Juliana Marques said...

Ei Iana....
Belo texto, vc com toda a certeza tem esse talento para a escrita, agora com relação a descisão do STJ
ñ concordo, pq por mais q pra ser um bom jornalista é presciso ter talento,vamos ser bem sinceros, é presciso sim ter um bom estudo pq ensino médio no Brasil, por melhor q seja a escola ainda é mt decadente, pessoas q se formam e ñ sabem regras facilimas do bom portguês, ou menos ñ sabem se comunicar bem, uma facudade ñ faz um ser humano, mais com certeza ajuda mt em sua formação intelectual. Mais enfim ñ me assusta mt essa descisão pq um país q tem um presidente analfabeto, com certeza vai ter pessoas com mentes assim tão pequenas...amo esse país mais me chateio mt com descisões como essa...
Vamos ver mais o q ñ vai prescisar de curso superio nesse país né....

Paulo Victor said...

Juliana Marques,

acho que há uns pingos faltando em seus "i's".

Não quero ser taxado de defensor do Presidente Lula, até pq discordo de muitas (muitas mesmo!) de suas ações. Mas também não posso me calar diante de preconceito destilado. E contra isso eu luto.

Quando você se refere a um "presidente analfabeto", você só pode estar brincando. Tenho certeza de que se vc se sentar ao lado do Lula pra bater um papo sobre economia, relações internacionais, teoria política, estragégia de governo, lógica partidária, certamente vai levar um banho.

Educação e cultura está longe de ser aquilo que se adquire em sala de aula. Lembro-me de minha avó, que impedida - pelo costume de sua família - de ir à escola, com apenas dois meses de estudo formal em sua vida inteira, escrevia textos incríveis e recitava poesias das mais diversas autorias. Ela foi, sem dúvida, uma das pessoas mais cultas que conheci, mesmo com pouco quadro e giz.

Assim como Lula, Abraham Lincoln, um dos maiores presidentes da história dos Estados Unidos, não tinha escolaridade. Era um lenhador que conseguiu, pela cultura e educação informal, adquirida com experiência de vida, conduzir uma grande nação.

De modo igual, aqui no Brasil nós conseguimos vencer preconceitos e construir um dos maiores líderes políticos da atualidade mundial que, como diz o próprio Obama, "é o cara".

Se ele fala como o Brasil de verdade fala, com erros, palavras truncadas, se escreve com lapsos, isto não é - de maneira alguma - motivo para chamá-lo de analfabeto. Se assim o fosse, acho que você deveria reler seu comentário e repensar a sua forma de escrever. Se falhas linguísticas fossem motivos para chamar alguém de analfabeto, infelizmente (caso essa fosse a sua lógica e eu a seguisse) eu não teria outro nome para lhe dar.

Janine said...

Oi Iana! Há poucos dias, descobri seu blog. Eu amo entrar aqui e ler o que vc escreve. Tenho dois amigos lindos que são jornalistas, amo bater papo com eles, discutir e se não fosse a minha paixão psicologia... faria jornalismo!rsrs. Sinto pela decisão do STJ. Sinto mesmo... lamentável. Mas, vendo tudo isso, na minha simples opnião, o que eles querem mesmo é algum tipo de retaliação, por tanta "sujeira" que se tem descoberto nestes dias... mas creio que este não foi um caminho feliz. Sempre estou visitando seu blog! Abraços,
Janine

Anonymous said...

Ei! Qual o problema se somos governados por um presidente que não possui curso superior? Ficou maluca? Você se esqueceu do nosso "querido" presidente Fernando Henrique? Foi um dos sociólogos mais brilhantes que já tivemos. E quando perguntado sobre o motivo pelo qual ele conduzia o país de maneira tão diferente daquela proposta em suas obras, ele respondeu: "-Esqueçam o que eu escrevi".

Por favor,menos PREconceito e mais reflexão, sim?

Ka said...

Ei Iana, quanto tempo!

Eu nao sei quais sao os motivos que levaram o STJ a tomar essa decisao.

Bom de todas as pessoas que eu conheco que fizeram Comunicacao Social, metade dessas eu nao sei o que estao fazendo la. Para ser Jornalista tem que conhecimento, vivencia, maturidade, um bom criticismo( nao o que julga mas o que consegue enxergar alem dos que olhos podem ver), senso comum, 'mente aberta' para muitas coisas e uma certa malandragem que eu nao sei como explicar no momento. Qualidades assim, infelizmente, nao se adquire na faculdade.

Talvez a intencao do STJ seja de diminuir essa mafia de faculdades, e a velha questao de quantidade X qualidade; ou ate mesmo de trazer de volta, os jornalistas do passado, aquelas pessoas que sabiam escrever e possuiam as qualidades que citei acima sem ter um curso superior. Mas os tempos mudaram, ne?

Mas pelo menos, vai diminuir o numero de pessoas que fazem Comunicao Social so por se acharem 'pessoas comunicativas'!!! =?

So sinto pelas pessoas que acabaram de passar no vestibular para Jornalismo. Vamos ver, qual vai ser o criterio para se empregar um bom jornalista.

Aqui na Inglaterra, em muitos empregos, especialmente no mundo dos negocios, eles nao querem nem saber se voce tem curso superior ou nao; o que vale aqui e a experiencia, a pratica; compararndo com brasil, convenhamos ha muita teoria e pouca pratica nas faculdades.

PS:. Tenho que concordar com Paulo Vitor. Vamos parar com esse preconceito contra pessoas que nao tiveram oportunidade de adquirir uma escolaridade tradicional. MInha avo, hoje com 86 anos, so estudou ate a quarta serie do primeiro grau mas escrevia bem melhor que muita gente com surso superior. Aprendeu tudo por ela mesma. Me enchia o saco quando era crianca, com ditados, redacoes ate mesmo nas ferias( nao sei quantos livros tive que ler em julho ou no verao). Dava altas dicas para minha irma que cursou Comunicao social. E fora que teve um otimo emprego, com um otimo salario e pensao.

E eu hoje, nem portugues sei escrever direito, nao sei quantos minutos me levaram para escrever esse texto. E o que acontece quando se mora fora. Totalmente despatriada de lingua. E pior, ne o Ingles e perfeito! haha

Beijos Iana, fica com Deus.

Paulo Victor said...

Quanto ao Anônimo, discordo do tom utilizado e da definição de FHC como um brilhante sociólogo. Li coisas dele, na faculdade, e o cara não passa de um teórico mediano. Bem pavão, mas medíocre em conteúdo.

No mais, ontem eu via o Manhatan Conection, no gnt, e me surpreendeu o posicionamento dos caras, unânime, de que a decisão do Supremo foi correta. Talvez nenhum deles seja jornalista de formação, assim como grandes nomes da nossa comunicação: por exemplo, Franklin Martins e, creio, William Waack. Daí o motivo da opinião.

Acho que o maior problema no Brasil, nesse sentido, é a necessidade de diferenciação pra seleção do restrito mercado de trabalho. Cada vez estabelece-se um maior número de critérios pra se afunilar o gargalo. Hoje é curso superior, amanhã pós, depois mestrado, depois doutorado. E o triste é que isto não se traduz necessariamente em melhor qualidade do capital humano, mas na mercantilização do ensino, como foi dito.

É essa a realidade que precisa ser mudada.

Iana Coimbra said...

Pessoas que investem tempo escrevendo aqui: MUITO OBRIGADA! Adoro discussões legais! :)E como sempre, obrigada pelas palavras de estímulo. Merci!

Soraya: Então, independente do curso ser ou não valorizado eu defendo a preparação que ele oferece. E para mim isso não tem nada a ver com diploma. Então sinceramente o meu conselho é: procure fazer o que vc ama, independente do que as pessoas falam.

Paulo: Sinceramente o meu discurso não é anti-Lula. Até porque votei no cara e botei muita fé. Ele fez coisas incríveis (e sofríveis), e realmente foi uma prova de que um representante do povo pode ser eleito e governar. Aplausos para ele. De verdade. A minha constatação pura e simples é: aqui não há a valorização do curso superior. Ponto final. Aliás, nem do ensino fundamental, nem do médio. A educação como um todo. E existe máfia das faculdades, mas pelo menos hoje é muito mais fácil vc ter acesso a uma universidade do que há 20 anos. E isso eu acho plausível. Vejo pessoas de 50 anos sonhando com a faculdade que não puderam fazer aos 18 porque simplesmente não tinham condições de passar no vestibular (que para mim é outra coisa que não prova nada, mas aí já é outra discussão). Se o mercado vai ou não absorver essas pessoas são outros quinhentos. Mas independente disso, enquanto se está numa sala de aula aprendendo sociologia, filosofia e outros assuntos, sua mente é aberta. Seu campo de visão aumenta. O seu mundo se torna maior. E o meu discurso é esse. Vc não precisa fazer faculdade para uma série de coisas, como para ser um artista, um chefe de cozinha, administrador e até presidente da república, mas vc há de convir que estudar não faz mal a ninguém, e uma decisão como essa só piora esse aspecto no nosso país :)

Priscila: Adorei seu comentário. Por favor, escreva sempre. Como vc já percebeu tamanho de texto aqui nunca é problema! :)

Flávia: Com certeza!!! Pode sim, só citar a fonte.

Lê: Que bom!!! E haja argumentos, né.rs. Beijão!

Thathy Nogueira: Eu concordo muito com o que vc falou. Desde a implantação da escola plural, onde o aluno não toma mais bomba, já deu para perceber onde vamos parar. E é só dar uma olhadinha no que escrevem por aí. Como o povo escreve errado!!!

Rodrigo: Eu tb acho que as empresas vão escolher as pessoas que tem formação. Pelo menos é o que eu e milhares de jornalistas esperamos.

Querido(a) anônimo(a): Eu não vejo problema algum em o presidente não ter curso superior. Não é preconceito. Até escrevi isso acima numa resposta ao Paulo. A minha opinião é em relação a desvalorização do curso superior no país. E seria totalmente incoerente não lembrar da condição do próprio presidente da República. Votei no cara e tinha até orgulho de vê-lo no poder. Mas de uma forma ou de outra continuo achando que um curso superior faz toda a diferença na vida de uma pessoa. E isso, meu caro, não é preconceito. É uma simples opinião baseada na minha reflexão. Aliás, ela está aí. Mas pelo visto o preconceito foi seu em não respeitar o meu ponto de vista que diverge do seu. E não entendi porque vc não assinou seu comentário. Vc é sempre bem vindo(a) para comentar. Esse aqui é um espaço aberto para discussões. E eu amo quando essas coisas acontecem de forma inteligente, respeitosa e enriquecedora. :)

Iana Coimbra said...

Ka: Que bom que vc comentou! Eu sei bem como é essa percepção no exterior de que o curso em si não é tão necessário. Mas vc há de convir que a base da educação na Europa, principalmente, é infinitamente superior à do Brasil. Sei que todo mundo tem um parente que nunca estudou e sempre teve uma cultura gigante, infinitamente superior à muitos que se mataram na escola, mas não acho que isso sirva de argumento para acabar com a obrigatoriedade do curso superior em algumas profissões. Não somente no jornalismo. Mas percebo também que esse é um retrato de um país que já foi. É muito mais fácil achar avós que tem essa visão de mundo mega sem ter estudado do que primos, ou amigos. Enfim, eu vou sempre defender que mesmo pessoas perdidas estudem. Porque conhecimento não ocupa espaço e sempre colabora para cidadãos melhores. Pelo menos é o que eu espero. Escreva sempre!!!

Tatiana Santos said...

Eu simplesmente acredito que o profissional de verdade, que tem convicção de seu talento deseja sim melhorar os seus conhecimentos. E o curso superior é um dos caminhos para lapidar o dom profissional. Eu trabalho no setor comercial e desejo sim aprimorar meus conhecimentos nessa área.Infelizmente não tenho condições finaceiras para isso agora. Infelizmente. Tenho 26 anos e ainda não consegui realizar esse sonho. Mas não pretendo desistir. E estudar é bom sim. É necessário, é preciso, com toda certeza. Não para você ser um profissional com diploma ou simplesmente ter um título, mas melhorar o profissional que há em você. Eu pesoalmente anseio por esse momento. E pra você qualificar-se profissionalmente tem que estudar e muito.
E para os que sonham em tornar-se um bom profissional em comunicação social: ESTUDEM! DEDIQUEM-SE!
Mesmo que não seja obrigado a ter o bendito curso para atuar na área, vale a pena investir. Com certeza.

Um abraço Iana!

:p

Jaque said...

Oi Iana também concordo com você!
Fazer faculdade não é simplemente ter um diploma debaixo do braço, é muito mais do que isso. Em sala de aula trocamos idéias, adquirimos informações corretas, analisamos cada fato. Hoje faço TI e digo a você que a minha mente é o mundo, não dá mais o pra viver entre quatro paredes!

Bjo grande e vai nessa força!
Jaque

Cíntia Mara said...

ÓTIMO POST!

Na minha área (computação) também há algumas discussões sobre isso, só q no sentido de regularizar a profissão. Como é uma área relativamente nova, a discussão ainda vai durar.

Agora, com o jornalismo é diferente, né... uma profissão que tá aí há tempos, formadores de opinião, como você mesma disse, em um país onde o nível de escolaridade e de leitura é tão baixo! Isso é um desestímulo para muitos, que vão conseguir uma trabalho sem se esforçar para merecê-lo e contribuir para que o país fique mais burro.

Não que a formação superior seja tudo. Tem muita gente com diploma na mão e é ignorante, enquanto outros q não tiveram a oportunidade de ir à faculdade conseguem ser + sábios. Mas o governo tem q estimular é a educação, será q não percebem q só assim as coisas podem começar a melhorar?

Bjo

Leandro Silva said...

Olá Iana!

Concordo com o que vc escreveu.

Sinto que estamos retrocedendo.
Um diploma não garante que sejamos ótimos profissionais, mas o conhecimento e as experiências adquiridas durante uma faculdade fazem muita diferença no desenvolvimento de qualquer profissão.

Digo isso por experiência própria.

Bem... o futuro nos mostrará se estamos certos.

Um abraço!

Vi said...

Olá!

Achei péssima a idéia do Supremo tb. Nisso eu concordo com você.

Só não achei interessante a forma como você se referiu ao presidente Lula. Li os seus textos posteriores em que vc explica o que "quis dizer", mas não "disse".

Outra coisa: A educação básica não é essa maravilha toda em todos os países centrais (RICOS) não, viu? Na Europa o ensino básico é, de fato, satisfatório. Mas nos EUA é uma porcaria: fraquíssimo e absurdamente superficial.

Terceira coisa: Você se referiu, em uma das suas postagens, à suposta ineficiência do VESTIBULAR. Bom, eu seria mais cautelosa: existem VESTIBULARES e VESTIBULARES. Qualquer analfabeto é aprovado em vestibulares como : Newton Paiva, Unifenas, Uni-BH, ou até mesmo a PUC (cuja seleção UM DIA foi eficiente).

Mas não concordo que os vestibulares das faculdades federais sejam assim. As provas são muito bem elaboradas e exigem dos candidatos capacidade interpretativa e postura crítica. Se duvidar do que estou falando, entre no site da copeve e baixe as provas. Verá o que digo.

Bom, é isso. Abraços.

meu blog: www.vivigranma.blogspot.com

Anderson said...

Parabéns pelo texto. Deus te chamou para isso e te honrará tenha certeza.
Tudo que temos e somos vem d'Ele.
E vejo sempre isso quando estou ai no congresso do DT.

Abraços,

Anderson Freitas
Salvador/Ba

jhom said...

eu só queria saber algumas coisas:
º o que fazer com os 2 anos e meio estudados[até agora]?
º pra que eu investir tempo e dinheiro nesse periodo?
º aonde fica a democracia?
º pq meu "querido" presidente ñ se manifestou a nosso favor?

será que encontrarei respostas?
grande abraço garota

DTA

Carol Monteiro said...

Que triste Iana! Sinto muito por todos os jornalistas sérios deste país e por todas as pessoas que estão chegando ao final do seu curso ou mesmo cursando ainda, isso realmente deve ser um "balde de água fria".
Lamentável...já estamos rodeados de jornalistas que desrespeitam sua profissão, com notícias falsas e maldosas...sem palavras realmente estou desapontada.
E me pergunto, essas pessoas que votaram, fariam o mesmo se a profissão do médico estivesse em questão ou do dentista? Triste...

Iana Coimbra said...

Pessoal, que bom que a discussão continua rendendo!

Cíntia: Eu concordo com vc. A questão é justamente essa: a valorização da educação em um país que não tem esse histórico.

Leandro: Exatamente!

Vivi: Bom te ver de novo por aqui! Eu concordo que a educação americana é terrível e assino embaixo quando vc diz que é superficial. Aliás, eu poderia escrever milhares de artigos falando sobre o que eu penso dos EUA, mas deixa isso para um outro post. E foi justamente por isso que escrevi que a educação na Europa é que é incrível. E é mesmo. Tenho amigos em diversos países e admiro a forma como essa educação fundamental é valorizada. Isso sim, faz toda a diferença. E quando falo que questiono o lance do vestibular, eu não me refiro às provas em si, mas ao sistema. Conheço pessoas incríveis que são inteligentíssimas, mas que por nervosismo na hora da prova foram reprovadas. Nesse ponto dou crédito aos gringos. Considero a avaliação curricular complementar à prova um modelo interessante. Mas ninguém é dono da verdade, não é mesmo? Eu não estudei em nenhuma federal e sei bem do nível das provas. Não passei. Mas foi por incapacidade, malandragem mesmo. E admiro quem deu conta do recado. Porém o que falo o tempo todo aqui, e vou continuar defendendo, é que precisamos valorizar a educação no Brasil. Mas acho sensacional quando nos colocamos para discutir todos esses pontos de vista aqui no I-relevante. Discussão não quer dizer que todos sairemos concordando com tudo, mas com certeza o exercício da reflexão faz toda a diferença! Escreva sempre!

Jhom: O que fazer com o investimento? Bom, a decisão é sua, mas acho que se é isso que vc quer para a sua vida continue. E existe muitas outras coisas em jogo que nós, meros mortais nunca saberemos. Por isso, como diria a Dory: Continue a nadar! rs.

Rodrigo said...

Ta ai, eu nao sabia dessa superficialidade do sistema de ensino norte-americano. Realmente quem não conhce de perto, tende a se iludir com o Tio Sam (eu me coloco nesse meio ai).

Mas da pra comparar o ensino daqui com o de lá? Olha mesmo não conhecendo de perto sei não...

Tábata said...

Olá!
É engraçado porque dias atrás escutei algo que vale a pena ser citado aqui. Era mais ou menos assim: "Pra construir um prédio tem que ter um Engenheiro, pra receitar remédios ou fazer uma cirurgia precisa-se de um Médico. Então porque quando lidamos com a informação ou até mesmo a literatura qualquer um pode fazer?"
Concordo plenamete com o que você disse sobre os 'blogueiros celebridades que escrevem errado', eu sou uma eterna apaixonada pela boa escrita (por isso é tão bom vur aqui) e me identifico com as pessoas que também prezam por isso!!!
Também cursei Comunicação Social mas infelizmente não pude concluir. É claro que essa decisão não desvaloriza tudo o que um 'foca' aprende, pois sabemos que é tudo com muito esforço e buscando a excelência em cada palavra...
Bjos

Juliana Marques said...

Paulo Victor.

Queria me desculpar se me expressei mal em minhas palavras, ñ tenho nenhum tipo de preconceito contra quem ñ tem um diploma de ensino superior, apenas quis mostrar minha opinião, sobre um assunto q achei absurdo, e em nunhum momento eu disse em meu comentário, q erros ortográficos, descreve alguém como sendo analfabeto, tive vários erros sim, vi eles e os reconheço, mais em nunhum momento eu desrrespeitei ninguém em meu comentário, só penso q em tantos anos q o Lula vem tentado se eleger como presidente será q ele ñ teve nenhuma oportunidade de estudar fazer algum curso ñ sei??
como vc disse se eu conversasse com ele com certeza ele me daria um banho dentro dos assuntos q vc propôs,pq ñ tenho nem um terço da experiência q ele tem dentro desses temas, mais eu ñ fiz menção a sua cultura em si ou ao seu caráter, mais ao fato de sua escolaridade,e pessoas como o caso de sua avó, creio q com certeza ela ñ estudou pq ñ teve oportunidade, pq creio q se ela tivesse tido a oportunidade, com certeza ela teria estudado por ser tão inteligente como vc a descreveu. Bem enfim ñ quero render mais, até pq o assunto já virou para outro lado, quando a questão em si era o fato de pessoas sem preparo exercerem uma profissão q prescisa de mt mais q dom, e vc tem todo o direito de ñ concordar cmg, mais seja um pouco mais delicado, ao expor suas críticas, pq vc passa um ar de ser tão culto e inteligente, mais ñ demonstrou isso em sua crítica ao meu comentário.

Tatiana Santos said...

Ixi!!!!!
Tá vendo como ler, ser informado é importante?
Pois é..
E lendo aqui no blog, repentinamente fico sabendo que o ensino norte-americano é "superficial".
Como pode neh? Um dos paises mais ricos da terra "pobre" em educação!
E tem muita gente iludida com os Estados Unidos...
Lamentável!!!

Bejim!

Luma e Luana said...

Oie Iana.
Muito legal o que você escreveu.

Parabéns pela profissional que você é, não a conhecemos bem, mas dar pra saber pelo menos um pouco pela forma como você escreve e fala aqui em seu blog.

Bjus. Deus abençoe! ;)

Ana Flávia said...

Uauuuuuuuuu...é isso mesmo!!
Achei absurdo isso..axo que jornalismo exige muito intelecto,não desmerecendo ninguém,mas como vc mesma disse,o nível de educação no nosso país é triste.
Só espero que tbm a decisão de mudar a forma de seleção nas universidades públicas não se torne um caos,ou melhor uma "bodega"..por mais que as provas de vestibular sejam de nível alto,ainda sim sou a favor...acho que seleciona bem quem tem ou não condições de entrar numa universidade.

Deus te abençoe!! bjss ^^
PS: vc está linda na foto!

Paulo Victor said...

Juliana,

perdoe-me pela falta de delicadeza que, reconheço, coloquei em minhas palavras.

Disse aquilo um tanto quanto impaciente pelo fato de ver em comentários, como o seu, um pre-julgamento a respeito da situação do nosso presidente, que reflete a situação do nosso país. Não no sentido negativo, de alguém "sem estudo", mas no bom sentido, de alguém com grande conhecimento e sabedoria, independente da existência de uma escolaridade formal.

Para algumas profissões até concordo que seja interessante a exigência de um diploma. Por mais banal que muitas vezes este documento possa ser - dependendo da instituição que o emite -, um certificado ainda é a nossa garantia de que o cara que nos opera é, de fato, um médico, por exemplo.

Mas para outras "profissões", como a de presidente, por exemplo, não vejo o pq de tal exigência. Será que o Lula precisaria ir a uma faculdade só pra dizer que tem curso superior? Isso seria efetivamente relevante? Valorizar excessivamente um diploma, "só pra dizer que tem", também é perigoso. O q vemos hoje, como reflexo dessa cultura, é exatamente milhares e milhares de pessoas formadas carregando caixas de papelão pq não conseguem se inserir no mercado, pelo fato de só terem um diploma por ter.

Mas esse é, realmente, um assunto controverso, polêmico, delicado, e precisaria de mais uns 300 posts da Iana pra orientar mais e mais discussões, que não necessariamente nos levariam a um consenso, mas, como ela mesma diz, vale só pelo fato de nos levar a pensar.

Por fim, quando usei pra ti a mesma designação que usaste para o Presidente, eu o fiz baseando-me numa lógica que julguei ser sua, como o é de 99% dos brasileiros que o chamam de analfabeto: a do escrever/falar "errado".

Falar/escrever errado, todos fazemos. Alguns tiveram o "azar" de ter pouco contato com as normas de prestígio* da língua, e são mais discriminados por isto. É o que ocorre com o Presidente.

Ir a uma faculdade ensinaria o Lula a falar ou escrever melhor? Talvez. E isso faz diferença? Em minha visão, não. É até bom ver o povo incluído no governo também sob o ponto de vista linguístico. :)

No mais, perdoe-me mesmo, de coração, pelas minhas palavras duras. Exaltei-me, provavelmente sem necessidade. Mas já o fiz e agora só me resta pedir desculpas.

Abraço.

* mais sobre este tema pode ser lido em "A Norma Oculta" e "Preconceito Linguístico", de Marcos Bagno. hehe.

Anonymous said...

IANA VC. CASA QDO. MEU!

EU QUERO IR NO SEU CASORIO!

FALA EA, POR FAVOR.

BEIJINHOS
HUAUAUAUAUAUAU


ass: ANJA

Luma e Luana said...

Bom Ianaaa, só estamos passando novamente para te pedir um favorzinho. rs
Pode crer, é facinhoo!!

É claro q vc n sb, mas uma das coisas q mais gostamos são crianças. É por isso q cuidamos mtas vezes dos nossos priminhos, tems celula de crianças, participamos da rede de crianças, etc.

E cm amanha é o niver das nsas xarázinhas lindinhas, n podiamos deixar passar sem te pedir esse favorzinho.

N sabems se pode ser considerado uma coisa tao sem logica, ou "besta", mas queriamos mto q vc mandasse um bjinho da gnt pra elas,pod ser? :P

Mas, vc deve pensar. "O q eu vou falar? Elas nem sabem qm são!!"

+ vc só diz foram umas colegas suas q vc conhece e moram bem distante, q mandou um bjinho. rs

E achamos q valeria um post, q vc axa? rs.
+ é qts aninhos msm? 5?

bjus.
DTA.

AngelMi said...

Olá Iana,
Vi no Youtube vc apresentando o quadro "Você no Diante do Trono".
Fiquei impressionada com sua desenvoltura afinal, sempre lemos seus textos, vemos você dançando mas nunca tinha visto falando.
Você realmente nasceu pra isso. Já está no DNA hehehe
Fiquei supresa, mesmo!
Go ahead!!
Bjs,
Mi

Luma e Luana said...

huahauhuahua..
o cabeça a nossa...
rsrs
Falamos tudo e esquecemos de dizer o principal. Manda um parabéns também. rs

bjus..té mais.
DTA

Lu De Oliveira said...

Uau! Novamente um post que esta dando o que falar.
Pensei: comento? Näo comento? Resolvi comentar. haha

Amo debates, mas acho que quase tudo que tinha pra falar já foi falado...e ate o que näo deveria ser falado também foi :P kkk

Acho que todos que tem a oportunidade de concluir seus estudos ou cursar uma faculdade, deveria sim faze-lo. Näo creio que seja desperdício de tempo. Quem näo teve a oportunidade de obter um diploma e exerce de maneira “exemplar” sua funcäo ou, no caso de avós ou tios que näo estudaram e mesmo assim eram “cultos”, creio que säo a excessäo. Mas daí a tomar isso como regra...
Como já foi dito, todo o conhecimento que você adquire no decorrer dos anos em um curso superior, ninguem podera tirar de voce! É um patrimonio SEU e que nem a tal da crise podera lhe tirar. Se e certo ou errado a exigencia de ou näo de diploma, sempre haverá controversias. Cada um “puxará a sardinha” para o próprio lado. Mas respeitar as diferencas de ponto de vista é essencial.
Discordo porém, de algo que uma pessoa falou, de que no exterior o diploma näo é necessário (ou algo assim). Näo vejo dessa forma. Ao menos näo na Alemanha. O estudo, no geral é muito valorizado, bem como o diploma de nivel superior.
No caso do jornalismo, por exemplo, apesar de näo ser minha área, trabalhei semana passada em um congresso sobre Midia e, conversando com algumas pessoas, elas acharam meio que absurda essa "falta de exigencia de diploma". Porque durantes esses preciosos anos nos bancos das universidades você aprende a ser mais crítico, as suas “fronteiras se expandem”, voce aprende tambem a näo aceitar as ideias como elas säo apresentadas, só porque um “fulano conhecido” as publicou.
Mas entendo pessoas que se sintam, de certa forma, injusticadas com essa decisäo do Supremo. Eu também tenho calafrios quando dizem que pra ser psicólogo e necessário APENAS ser paciente e saber ouvir =S ou seja, estaria eu perdendo meu tempo?
É isso, sou a favor do estudo sim. Leia, aprenda, debata, discuta, critique, pense! Porque um pais desenvolvido é feito de pessoas desenvolvidas (ou que procuram se desenvolver).
Temos apenas a ganhar ... e o nosso pais agradece.
Beijos
Luanna

PS: minhas sinceras desculpas aos apreciadores da ortografia correta. Mas näo tenho determinados acentos. O maximo que consegui foram tremas ;P haha

Tatiana Santos said...

Bom dia flôr do dia!!
Qual vai ser nosso debate dessa semana? rs
Tô amando tudo isso...
Conhecimento, ninguém arranca de nós e nunca é demais!

Beijim procê!
Boa semana pra todos nós!

Rachell said...

Tá, todo mundo já falou pra caramba, então só posso dizer que compartilho da sua opinião e o que penso sobre o assunto, escrevi no meu blog... Vale a pena ir lá dar uma conferida...
No mais... Eu amooo suas construções argumentativas... Já te disse isso né?! Rs. Beijão!

Rebeca - DF said...

Ei Iana, tudo belezinha?!
Então, me lembro quando saiu essa notícia. Como eu trabalho aqui no Ministério da Ciência e Tecnologia (Esplanada - Bsb ), a notícia chegou em mim bem rápido e de uma forma bastante sarcástica. Uma moça aqui do meu trabalho me falou que eu não seria mais necessidade e que era pra eu parar de estudar, pois não precisava mais de diploma. Aquilo me chateou bastante, pois, sinceramente? Não me vejo fazendo outro curso!
Eu fui motivo de "gozação" pra algumas pessoas por aqui, mas fui atrás da matéria que tinha saído e fui ler, até querer rasgar o papel ao ver uma comparação com "chefes de cozinha", pode? O melhor foi sair do trabalho e ver algumas faixas na frente do STJ escrito: "Sai fora, Gilmar Mendes!". Quando fui pensar um pouco sobre tudo isso, lembrei de você, pois quando estive em BH com a Márcinha (lembra?), o pouco que eu te vi foi passando "correndo" ou cansada, nem seio que era, mas podia ver um "cansaço" com prazer! E nesse dia eu me vi (daqui uns anos), formada em jornalismo na correria, cansada e tudo mais. porém fazendo algo que eu sou apaixonada!! E Foi ai que acordei, e nem mudei de curso (como me "aconselharam"!). Concordo plenamente com seu texto e saberemos "desde sempre" que: Jornalistas com conteúdo e qualidade, são poucos! Mas eu pretendo ser um dos poucos e em breve, estar com essa 'beca' e o diploma necessário aos que merecem e amam! =P YES! Beijos!

Ps: Tentei evitar deixar o texto grande, mas nem sempre consigo! ;)

Isis said...

Olá Iana, me chamo Isis e sou estudante de jornalismo. Concluir o primeiro semestre esse ano e confesso que estava pensando em desistir, talvez por falta de maturidade ainda, mas depois que li seu comentário, nossa, me reanimei. Eu ainda não conhecia seu trabalho, mas graças a Deus uma amiga me mandou seu blog e pude conhecê-lo em um momento preciso e indeciso...Apóio com certeza o que você escreveu, mesmo sendo ainda uma "caloura", mas com a convicção de que temos que seguir certos do que queremos, se vai valer a pena não sei, mas lutamos e essa certeza nos acompanhará enquanto estivermos vivos. Que Deus abençoe você e seu trabalho e que Ele nos ajude e dê a direção certa para nossa profissão.

Abraços e parabéns pelo trabalho.

Laís said...

Oi Iana, me impressionei com a qualidade do seu texto e como você expressou bem a inconformidade da nossa profissão!
Além de admirá-la ministerialmente, como jornalista você mostrou a sua qualidade profissional!
Grande Abraço!

talita said...

Iana!
Concordo com tudo o que você disse. Também quero ser jornalista e com certeza farei uma faculdade para isso.
Infelizmente com essas decisões que andam tomando ultimamente quem sai perdendo é o nosso país, já tão acostumado a dar "um jeito" em tudo. Lastimável.
Beijos querida e continue assim.

Aline said...

Pois é... Jornalista não é simplesmente um fazedor de texto. É alguém que deve ter uma formação crítica muito bem estabelecida, que conhece e respeita a História (como você disse).
Alguém que saiba quem é Rousseau, Marx, Weber e não somente o que significa a sigla BBB.
Mas, no Brasil andamos a passos largos para total ignorância e despolitização.
O Governo leva à escuridão e o povo segue feliz... Afinal, o Timão é Tri, a Copa será aqui e o Michael Jackson está bi (mesmo depois de morto).

Ricardo Moraleida said...

eu, sempre em dia com o meu atraso... tudo que eu ia responder aqui eu coloquei aqui:

http://www.ricardomoraleida.com/2009/07/03/o-diploma-o-jornalista-e-a-diferenca-entre-eles/

sabia que o Sarney é jornalista? hehe

:)