Wednesday, April 3, 2013

Primeiro de abril


O meu primeiro de abril terminou com várias verdades que eu preferia que fossem mentiras. Caos na saúde, epidemia de dengue, criminosos ateando fogo a ônibus e atirando para o alto como protesto pela morte de um traficante, homem morto ao lado do namorado com um tiro na cabeça por causa de dívidas.

Não queria que as coisas acontecessem e muito menos que eu tivesse que dar essas notícias. Às vezes me perguntam se eu não acho que tem violência e tragédia demais nos jornais. Concordo. Tem sim. Mas não porque temos prazer em exibir esse tipo de conteúdo, mas porque são histórias que precisam ser contadas. Denúncias que precisam ser feitas.

Quando vejo um jovem morto, caído ao chão, penso em como ele chegou até ali. Quais foram as escolhas decisivas, como a vida dele poderia ter sido se os caminhos fossem diferentes. Quando vejo uma UPA nova, sem médicos, abarrotada de pacientes penso onde foram parar os profissionais da saúde que fogem desse atendimento. Eu não vejo apenas fatos. Eu vejo histórias que precisam ser mostradas.

Adoraria só contar casos bons, felizes, mas enquanto este país continuar sendo um lugar que parece viver um eterno Primeiro de abril, fico com a realidade triste, dura, mas que precisa ser mudada por pessoas de verdade. Que se importam de verdade. Que amam de verdade. Brasileiros de verdade.

Ps: Quem quiser ver, as matérias estão aqui:
http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=7&id_noticia=101335/noticia_interna.shtml
http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=7&id_noticia=101347/noticia_interna.shtml
http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=7&id_noticia=101350/noticia_interna.shtml

7 comments:

Talyta Stefany said...

Olá Iana! Tudo bem? Concordo plenamente com você. Acredito que seja difícil relatar fatos assim, principalmente quando as coisas em vez de melhorarem só pioram. Te admiro muito, acho você um exemplo de mulher, corajosa, esforçada e muito mais (você já deve estar cansada de ler e ouvir isso (risos), mas é a pura verdade!). Que Deus te abençoe!
Te desejo matérias/reportagens felizes!!! \o/
Beijos...

Natália Rocha said...

Oi Iana,tudo bom? Queria te contar, rapidinho, um pouquinho da minha história que tem a ver com a tua profissão.
Ano passado prestei vestibular pra biomedicina e passei, depois de 2 meses no curso vi que não era aquilo que eu queria...eu gostava sim de estudar a parte biológica, fisiológica, mas sentia falta do português (que amo!), da escrita, da fala, da leitura. Sempre disse que eu gostava de ser aquele tipo de pessoa que sabia falar de tudo um pouquinho(e eu via que o jornalismo conseguia tocar em todas as profissões e me trazer isso.).
Desde de pequena, eu dizia que queria fazer faculdade de jornalismo, mas no meio do 1º ano do ensino médio, "cismei" com a biomedicina, até ver, realmente, que não queria seguir naquela carreira (era o que me incomodava,eu gostava de estudar,mas não me imaginava trabalhando com isso.).
Como és uma jornalista que eu admiro muito, e acompanho desde os tempos do Diante do Trono, gostaria, se puderes e quiseres, claro, que tu falasse um pouco da tua faculdade, quais eram as tuas expectativas em relação ao jornalismo, o porquê de tu ter escolhido esse curso (e falasse também sobre o MBA- até hoje, infelizmente, não consegui entender o que é isso :[)... e se realmente,o jornalismo foi de encontro com as tuas expectativas.
Um beijão! Obrigada. Natália Rocha

Julia said...

Tem coisas que realmente deveriam ser uma apenas mentira de primeiro de abril. Mas infelizmente a vida não é só feita de boas notícias.

Bj!

Lira said...

PARTE 1 - Há limite de caracteres. Dividi em algumas partes.

Querida Iana,

procurei seu e-mail para te escrever, pois acredito que esse comentário seria muito grande, e talvez, cheio de particularidades de uma menina de 21. Mas não encontrei. Então, resolvi escrever por aqui mesmo.

Já fazem muitos anos que viro minhas noites escrevendo, lendo, escrevendo, lendo... Isso me dá sono, mas não me cansa, entende? Meus amigos já acreditam que eu sou algum tipo de mutante, zumbi, vampiro... Essas coisas de adolescentes perturbados. Sabe como é.

Brincadeiras a parte,

hoje faz muito frio em São Paulo. E gosto muito do inverno, por um motivo único: Ele une as pessoas. E inspira. Ok, foram dois.

Como estava dizendo, o frio me inspira principalmente para escrever.

Só que dessa vez não quis escrever para uma das colunas quais participo, ou uma redação qualquer à empresa que trabalho, nem mesmo um trechinho para meu novo livro. Eu resolvi escrever a você.

Durante muitos anos, te observei silenciosamente. Te absorvi. Cresci. E estou aqui, te escrevendo, cheia de felicidade.
Estou fazendo isso de uma tablet, e espero que me compreenda (caso eu pareça cega para algumas pontuações).

Demorei pra te escrever, por que aprendi com você, que o tempo é importante tanto para desfazer, quando fazer laços. E o tempo nos faz amadurecer.

Pq resolvi te escrever?

O motivo principal: Devo agradecimentos.
Outro motivo especial: Me vi crescer um pouco Iana.

Lira said...

PARTE 2 -

Deixe-me explicar.

Quando digo que "me vi crescer um pouco Iana", digo isso, por que te leio assiduamente desde os meus 14 anos (exatamente quando comecei o meu primeiro blog). Me lembro que era tudo muito bagunçado dentro de mim, e tudo isso era refletido em meu bloguinho adolescente. Não passava de uma menininha! Mas, apesar disso, eu me sentia motivada em passar por aqui todos os dias para "pegar um pouco de você". E de uma forma muito louca, eu sabia que entrar no "I-relevante". era o mesmo que descobrir um pouco de mim. Fui crescendo, e cada vez mais, me sentia muito confortável ao te ler. Era como estar na casa de alguém muito querido. Me sentia acompanhada.

Palavras sempre me provocaram muito encanto. Mas as palavras só são capazes de encantar, quando quem escreve transmite o mesmo. Você é assim, Iana.

Suas palavras - cada uma delas - produz crescimento, paz e vida dentro de quem lê. Suas palavras são como um amigo íntimo, um abraço quente, um "olho-no-olho", um beijo na testa, um colo de mãe. Suas palavras te apresentam ao mundo (mesmo que entrelinhas). Você é fascinante, menina!

Muitos anos se passaram, conheci muitas pessoas, li muitos artigos, favoritei muitos outros blogs... Mas, por incrível que pareça, o seu blog... Nunca saiu dos meus favoritos. Desde 2007, - você e - seu blog permanece, e faz parte dos meus dias. De todos os blogs que leio, você é o mantra, a mãe, a necessidade. Como falei ali em cima, é o amigo íntimo... Colo de mãe.

Hoje, com 21, procuro a Iana. E imagino que ela está escondida em algum lugar desse vida maluca. E de vez em quando, a cada três, ou seis meses, ela aparece pra confirmar que com o tempo muitas coisas mudam, as pessoas mudam, mas essência não muda jamais. E que por mais que as mudanças aconteçam, o cheiro do café e o carinho qual é preparado, será sempre o mesmo.

Lira said...

PARTE 3 - FINAL

Você, carregada de suas belas palavras, vejo e será para mim, sempre como um museu. No museu, as coisas ficam velhas, antigas, empoeiradas... Mas, jamais deixaremos de apreciá-las, visitá-las, e melhor... Essas coisas jamais perderão seu valor. Pelo contrário, como o vinho, quanto mais tempo, melhor.

Iana, tenho certeza que há muitas outras pessoas que te lêem "em silêncio" tão assiduamente quanto eu. Mas, se você se atentar para este comentário, quero que saiba que todas as vezes que entro nesse blog e encontro um artigo novo, eu fico com uma sensação muito boa chamada: Contentamento. Me sinto privilegiada em poder te ler. Jamais esconda suas palavras. Jamais esconda-se.

Você é sensacional.

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que tu cativas." (Le Petit Prince)

Um beijo,
sua leitora... Thaís Lira.

Obs: Gostaria muito, que este comentário não fosse publicado. Na verdade, é uma carta, e eu escrevi pra você. Só pra você!

Se por acaso você quiser "me ler" algum dia, ou me escrever:

Meu blog: www.pontodalira.wordpress.com
Outro blog: www.brasilpersonalidades.blogspot.com
Facebook: facebook/pontodalira
Twitter: @LiraOficial ou @PontodaLira
E-mail: pontodalira@gmail.com

Obs 2: Uma confissão: Quando eu tinha 14 anos, eu queria ser você. Encontrei uma forma de te copiar, até dei o título de seu blog ao meu blog. Mas, daí eu cresci e meu professor me ensinou que plágio é crime. Peço perdão por isso! rs

Mas fique sabendo de uma coisa: Quando eu crescer, eu sempre vou querer ser como essa "gente grande", dentre elas, você.

António Jesus Batalha said...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
Sou António Batalha.